Resenha – Marcados (Birthmarked)

RESENHA:
Eis um livro que fazia tempo eu queria ler. Estava aqui comigo e eu me decidia a ler, mas sempre apareciam outras leituras igualmente legais e eu acabava passando na frente dele. Faz uns dias me animei de começar, fuçando nos blogs castelhanos que sempre visito, li várias resenhas sobre a trilogia Marca de Nacimento (Marcados, aqui no Br) e a grande maioria mesmo eram só elogios para a série. Vou dizer uma coisa, é complicado acompanhar tantas séries. Ultimamente a maioria dos livros se tornou série ou trilogia, e quando a gente nem percebe as leituras vão se acumulando e a gente acaba tendo um monte de séries que parece que não vamos conseguir finalizar. Alguns livros tem uma história boa, cheia de detalhes, onde se acumulam tantas qualidades que vale a pena ler, e Marcados pelo que pude notar nessa primeira parte, entra nesse caso.
A história nos apresenta Gaia, uma menina de 16 anos, que com certeza é uma das protagonistas mais fortes, mais obstinadas, inteligentes e decididas que já vi. Me orgulhei das atitudes dela, e acompanhar sua luta não cansa, por mais que o livro seja longo. Gaia carrega uma marca dificil, além da miséria da vida que ela leva com os pais, ela possui uma enorme queimadura na face, em todo o lado esquerdo. Aquilo fez Gaia ser alvo de piadas e de desprezo. E ela cresceu com essa marca, achando que jamais seria amada, que jamais seria sequer beijada.
Gaia, assim como sua mãe, é parteira. Ela vive numa zona pobre fora dos muros do Enclave, chamado de Setor 3. Cada um dos setores é obrigado a dar ao Enclave todos os meses uma parte de seus bebês recém nascidos, os 3 primeiros que nascem cada mês. Esses bebês serão adotados por famílias do Enclave e criados ali, sem nenhum vinculo com suas famílias biológicas. Mas porque o Enclave leva os bebês embora? As mulheres de lá não tem filhos? Ahhh, leiam o livro !!!
Gaia aprendeu com seus pais a seguir as normas do Enclave, normas que não se questionam, apenas se cumprem. E ela o faz até o dia em que seus pais são presos e levados pelo Enclave. A razão da prisão é um mistério, e Gaia logo descobre que eles foram condenados à morte.
Desesperada, ela arma um plano para resgatar os seus pais do Enclave. E aí a trama se desenrola, vários segredos sobre a razão da prisão dos pais de Gaia vão surgindo, além da misteriosa identidade dos irmãos de Gaia, que também tiveram que ser entregues ainda recém nascidos, e agora Gaia tentará encontrá-los também.
O livro é muito, muito legal. É um livro longo, mas que não cansa. A autora escreve de um jeito que nos prende à história, e Gaia é uma menina que vai ganhando nosso coração. Ela é forte e por mais que tenha sofrido, por conta de sua queimadura e de sua condição pobre, ela é forte, cheia de opinião e corajosa. Ela não se esconde em uma casca e se faz de vitima. Ela vai pra frente e luta pelo que acredita.
Nesse caminho ela conhece um jovem e lindo soldado (sim !!!!) chamado Leon. E contará com a ajuda dele em sua luta pelo resgate dos pais.
Leon foi um personagem que custei pra gostar. Ao contrário de Gaia.
Ele começa o livro como um garoto frio, um tipico soldado cumprindo ordens. Depois, ele é bipolar. As vezes parece estar do lado de Gaia, e outras parece estar trabalhando para o Enclave. Durante boa parte do livro, ele custa à tomar partido de verdade, e parece fazer apenas o que lhe convém.
Também não posso deixar de dizer que a própria Gaia perde pontos perto do tal Leon. Ela fica mais boba e mais perdida. Sozinha ela é inteligente, lutadora. Quando ele está perto, ela fica mais frágil, e o fato de ela confiar cegamente nele, entregando todos os segredos logo de cara, também me irritou. Gaia tinha uma confiança meio cega nele, e o garoto não se decidia de qual lado ficar.
Enfim, essa foi uma parte negativa. Achei Leon um personagem mais fraquinho e contraditório, e preferi muito mais um personagem secundário (o sargento Bartlett) do que o próprio mocinho da história Leon.
Aliás, um outro ponto negativo é que os personagens secundários são muito pouco desenvolvidos. Enfim, a gente fica super curioso para saber mais deles, e a autora não nos dá qualquer informação, fica tudo centrado na Gaia e no Leon mesmo e eu queria mesmo saber de muitos personagens que eram bem interessantes e tinham tudo para contribuir de maneira bem positiva à história.
Se eu quero ler os outros 2 livros? Ah, com certeza sim.
Se eu indicaria? Indico, o livro é muito bom, uma protagonista ótima e diferente da mocinha tradicional, uma trama muito bem desenvolvida, mistérios aos montes e tudo se desenvolve com perfeição.
Claro que houveram partes do livro que não gostei. No geral, há partes bastante tristes, a própria situação da Gaia, o desprezo que ela sofre por causa de sua queimadura, a dor interna dela é bastante tocante.
Enfim, uma distopia diferente e contagiante. Super bem escrita, um primeiro livro com um inicio promissor, e eu espero que os outros 2 sigam à mesma qualidade deste.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *