Recapitulando

Uma das minhas mais próximas e queridas amigas, a Roberta, sempre me deseja neste dia que meu ano novo particular seja bom. No mínimo bom. E nesta data eu costumo recapitular, que seja por alguns minutos, o que aconteceu no meu ano velho, ao qual dou adeus com sensação de missão cumprida. Trezentos e sessenta e cinco dias, alguns laços desfeitos, outros feitos de última hora, outros muito mais apertados: em resumo, este é o saldo. Reencontrei alguns prazeres e não deixei meu único vício grave. Pus muito mais a mão na massa, mas na hora em que achei por bem botar. Disse algumas verdades que não foram compreendidas, ouvi algumas que precisei compreender. E logo depois ouvi palavras que esperava há muito, sem sequer pedi-las, sem nem pensar que as merecia. Tomei decisões que mudaram muito a minha vida e a de quem está comigo e, por mais que essas mudanças tenham sido bruscas, não deixaram muito mais que uma lembrança. Li muito, mas quase 80% profissionalmente, o que foi bom e ruim ao mesmo tempo. Comprei mais livros e mais dicionários e quase já não sei o que fazer com minha pilha de não lidos ao lado da cama. Atrasei mais do que devia, adiantei muito para surpreender. Me rendi ao idioma espanhol e recomecei a estudá-lo, me aprofundei no amor pela língua alemã e me profissionalizei mais ainda no inglês. Virei um macmaníaco. Dormi tarde, acordei cedo, dormi cedo e acordei mais tarde, nadei um pouco e ainda voltarei a nadar com mais regularidade. Descobri que podia ficar o dia todo numa janela junto de pessoas muito parecidas comigo, mas todas muito diferentes também, e me tornei alguém mais feliz depois disso. Aceitei ajuda, corri em auxílio, fiquei quietinho e berrei muito. Fiz minha primeira tradução literária. Chorei sozinho, ri muito bem acompanhado e compartilhei com quem devia o que antes não podia. E um peso saiu das minhas costas. Tive saudades, matei-as muitas vezes e finalmente vi quem habita meu peito.

É um lampejo, esse ano novo particular. Mas cada vez que passa, consigo aproveitar melhor a sua luz.

Um beijo a todos e que possa vê-los no próximo. E nos próximos…

Imagem: Uarrr.org

2 Comentários Recapitulando

  1. Carolina Coelho 29 de outubro de 2011 at 15:23

    E nos próximos e nos próximos dos próximos dos próximos. Você tem um lugar no meu coração, PT Tudo de bom o/

    Responder
  2. Vladimir Golombek 31 de outubro de 2011 at 09:30

    Ja, auf jeden Fall, immer öfter und öfter. Nur das Allerbeste wünsche ich dir!

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *