Primeiro Texto – Trocando em miúdos

Esse texto, escrito em 2001, reflete uma época de tristeza e ansiedade. Passou, mas as marcas são bem profundas.

Esse não será um blog melancólico, mas esse texto é imprescindível pra me entender um pouquinho.

Abr@ço

Trocando em miúdos

“Trocando em miúdos pode guardar/as sobras de tudo que chamam lar/
as sombras de tudo que fomos nós…”(Francis Hime/Chico Buarque)

Quando ouço as flautas e o piano dedilhado, sinto como se todo o mundo fugisse de mim, sobrando somente o branco da página, onde flutuo pensando no erro. Cada passo, calculado, pensado, medido em vão. Meu único e verdadeiro medo era o de perder, e foi tão fácil ver isso acontecer. Ainda não tenho uma definição exata do que foi, um furacão talvez. Hoje, a calmaria. E as flautas continuam seu assobiar baixinho em meu peito, como o último suspiro, o último.

Peço ao leitor perdão pelos clichês, mas quem nunca disse ‘te amo’ na mais descarada pieguice? Quem nunca escorreu pelos ralos do sentimento ao ouvir a “nossa música”? Desafio qualquer um, por mais amargo, duro e impiedoso que seja, a dizer que nunca houve aquele dia de ver nosso “primeiro filme” e lembrar com saudade da época em que cada encontro era uma avant-première. Pense o que seria de nós se tivéssemos que ser criativos ao colocar a mostra o mais primitivo dos sentimentos depois da autodefesa. Sim, pois se ama, mas se vive primeiro.

Ainda ouço seus passos curtos nos corredores maculados dos puteiros. Seus sussurros ecoam em cada canto dos banheiros dos botecos. Seu cheiro está no mato, misturado ao cheiro forte de borracha queimada dos freios dos trens, seus lábios brilham como banana caramelada. Sua boca na minha, gosto que sinto ao acordar, ao dormir. Mesmo que fuja do mundo e me esconda numa cratera siberiana, a neve me lembraria como era bom estar tão quente no regaço daquela que jamais esquecerei. Seu corpo, curvas imensas, imensidão cheirosa de cabelos, pêlos e hálito. No fundo do copo ainda vislumbro uma borra do café e o brilho de seus olhos depois de chorar por uma briga, ou por ver um gatinho com fome. Será que mereço ter você tão perto, se o que mais queria é que sumisse. Blasfêmia ou não, nem Deus é tão presente.

Foi sem olhar para trás. Sem dizer nada. Sem motivo nem razão, somente quis. É fácil assim, virar as costas para si mesmo e para o mundo, dizer “não te quero mais” e foda-se. Deslealdade a flor da pele, pois quem toma não esquece. Mais um clichê e hoje vejo que o mundo inteiro é um grande clichê de comédias e dramas, e por mais moderno, pós-moderno, contemporâneo que alguém seja, não escapa das unhas compridas e imundas do amor. Ainda estou caindo nesse poço sem fundo da desilusão, esperando uma mão amiga, amante, o que seja.

Cerrando fogo no espaço, com hora marcada ou não, todo ele que houver nessa vida, o amor está nas primeiras páginas do jornal, na música, na novela das oito, das sete, das seis, das três e meia. Risca todos os céus e incendeia ainda mais as profundas do inferno. Ama aquele que estupidamente se entrega ao desprazer de ser humano. E mesmo com toda essa dor, esses desencontros e descasos, ainda esmurramos a mesma tecla, batemos contra esse muro como se nunca o tivéssemos feito. Choramos. Lamentamos. Nos desarrumamos.

Hoje não adianta querer a volta, não adianta pedir bis. Se negar que te quero, nego também que existo, nego a tudo que fui e evito tudo que serei. Meus olhos já não respondem mais, só há uma imagem pregada na retina: a de seu corpo tão nu e reluzente, perfeito e liso, um pouco a mais aqui e ali, mas perfeito. Minha boca, um vale, se contenta em secar a espera da sua água, do seu sumo. Meu corpo já definha a esperar teu corpo quente. Só me resta esperar a amiga morte, depois dos abismos cravados em meus pulsos. Jorra, líquido doce e vermelho. Lava todo o meu querer. Leva esse ser que não se ama mais

2 Comentários Primeiro Texto – Trocando em miúdos

  1. bel. 19 de Maio de 2007 at 19:20

    Trocando em miúdos: aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

    (não repare no meu histerismo)

    Responder
  2. janiaroque 20 de Maio de 2007 at 09:08

    hallo! Alentejo Die Zeit ist eine andere,ein anderes das maß. So groß das blatt so kurz die schrift. Zwischen pappeln korkeichen sand zwischen rebhuhn und schwarzbarsh im teich so viel diesen land so wenig doch gleisch. em portugues Outro e o tempo outra a medida. tao grande a pagina tao curta a escrita. entre o achiga e a perdiz entre chaparro e choupo tanto país e tao pouco. escritor portugues Manuel Alegre

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *